Programa Bem Me Cuido


Programa de Reeducação Alimentar, Comportamental e Emocional

Emagrecimento sustentável: Reeducação Alimentar

 

Na reeducação alimentar, aprendemos que não é preciso deixar de comer tudo aquilo de que gostamos e que “passar fome” não é definitivamente o caminho. Também não significa comer somente frutas, hortaliças, legumes e verduras. É preciso reaprender, reajustar e redefinir a nossa relação com a alimentação. Permitir-se comer de tudo, sem exageros e principalmente, sem culpa! É justamente esta variedade e equilíbrio, que nos leva a perder peso de forma gradual, saudável e sustentável.

Pensando nisso, em parceria com outros profissionais, desenvolvemos o Programa “Bem-Me-Cuido” – planeado para fornecer todas as ferramentas necessárias para ajudar às pessoas com dificuldades, em relação à alimentação (sobrepeso e obesidade). O programa completo é constituído por aconselhamento e técnicas de Coaching, aplicação do E.M.D.R* e método de reeducação alimentar, desenvolvido por nutricionistas.

Dentre os temas abordados:
· Reeducação alimentar – escolhas inteligentes, resultados surpreendentes! Programa desenvolvido por nutricionistas – “Somos aquilo que comemos” – alimentos nutritivos, ricos em sabores. Receitas apetitosas, ricas em nutrientes e de baixas calorias;
· Imagem corporal – A imagem corporal está relacionada com a auto-estima, auto-imagem e o auto-conceito. As “crenças sobre o corpo ideal”, bem como a imagem que temos internalizada e representativa do nosso corpo;
· Crenças limitantes – As crenças limitantes estão arraigadas no inconsciente e atuam na preservação de hábitos, que dificultam a obtenção dos objetivos de emagrecimento. Por exemplo: “ser gordo é sinal de saúde”, ou “ninguém pode ter tudo na vida” ou “quando se está bem é sinal que vem alguma desgraça” etc. Nesses casos o inconsciente pode utilizar a obesidade, como forma de proteção;
· Hábitos – Ao longo dos anos estabelecemos alguns costumes que podem nos prejuicar na manutenção do peso aconselhavel;
· Ansiedade – A ansiedade leva, por compensação, a buscarmos nos alimentos uma redução da tensão emocional;
· Stress – Durante o período em que se está sob Stress, o organismo produz mais adrenalina, elevando as taxas de açúcar no sangue. Para reduzir a quantidade excessiva de açúcar, o organismo produz insulina, transformando o açúcar em gordura. Dessa forma cria-se um ciclo vicioso: Stress → adrenalina → insulina → gordura;
· Depressão – Em pessoas deprimidas ou com outros tipos de privação (afetiva, emocional, social), a comida pode atuar de modo compensatório, favorecendo cronicamente o ganho de peso;
· Autopunição – As pessoas que exercem uma censura rígida quanto aos seus códigos de valores, podem ser levadas à necessidade de se autopunir, quando suas atitudes, pensamentos e desejos, estão em desacordo com sua filosofia;
· Assertividade – a falta de assertividade, pode dificultar ao indivíduo agir em conformidade com sua vontade e acabar por não cumprir o que estabeleceu para si mesmo. Ao não ser capaz de impor limites aos outros, muitas vezes também não os impõe a si próprio;
· Medos – A função do medo é a preservação — gera uma actitude de proteção ou evitação. O problema ocorre quando esse medo é deslocado para o alívio de tensões.
1. São comuns casos em que a obesidade está ligada a abusos físicos, psiquicos ou sexuais, ocorridos na infância ou adolescência, que podem ocasionar o medo pela intimidade;
2. A insatisfação na relação conjugal ou com a sexualidade, pode levar inconscientemente à obesidade, como forma de evitar a infidelidade;
3. Medo relacionado às crenças limitantes, ou seja, se temos uma crença de que “ser gordo é sinal de saúde”, inconsciente, temos o medo de que se emagrecermos, ficamos doentes…

Quando essas questões não são elaboradas, podem actuar como um “travão” às pretensões de um emagrecimento saudável. É por isso que a reeducação alimentar precisa de ser feita também a nível cerebral. Precisamos viabilizar novos caminhos “neuronais” dentro do nosso cérebro e isto é gradativo.

Um exemplo prático é quando mudamos algum móvel do sítio… Quantas vezes vamos fazer o caminho antigo, onde estava o móvel dantes? Muitas vezes. Por que este “caminho” está gravado no nosso cérebro, este caminho neuronal é automático. Todavia, gradativamente, passamos a construir novas conexões em nosso cérebro, que se vai consolidar, a medida que repetimos o novo percurso, até ao sítio onde o móvel está agora… assim, a antiga conexão se vai enfraquecendo, até desaparecer.

É assim que se formam novos hábitos, o que era novo passa a ser algo comum e automático, que se integra ao nosso dia-a-dia. Eu sei que as mudanças são possíveis, porque sempre tive excesso de peso e lutei constantemente contra isso! O tal “efeito sanfona” esteve presente em quase todas as fases da minha vida, da infância à adolescência e idade adulta… Nos últimos 16 meses emagreci 34 quilos e voltei a vestir roupas, que já não usava, desde antes da gravidez… Passei do n.º 46 para o n.º 38, mas muito mais que apenas uma silhueta elegante, estou satisfeita por desta vez estar a vivenciar um processo de emagrecimento saudável, sustentável e ecológico!

Mas para alcançarmos os resultados pretendidos, ao longo do precurso de aprendizado, precisamos de motivação, estímulo e muita paciência! Ter bons pensamentos em relação a si e aos outros e uma conduta positiva em relação às mudanças, sobretudo na alimentação. Estabeleça prioridades e siga sua vida de acordo com elas!

Acredite em você!

“Estamos à disposição para responder pessoalmente, a todos os emails remetidos para: psicologia.vivamelhor@gmail.com”